Carminho Canta Tom Jobim

 

Ela diz que desde sempre, “quando canto canções brasileiras, nunca abdico do meu sotaque. É minha forma de interpretar, que vem do fado. O fado ensinou-me a interpretar a música no seu todo, a ler poemas, a escolher melodias, a pensar e a acreditar naquilo que canto, tornando essas canções minhas.

ortanto, esse trabalho de Tom foi um tanto descobrir a mim mesma como intérprete. E, apesar de estar cantando a obra de um dos maiores compositores da história do século XX, eu estava dando algo de mim, ainda que pequenino”, completa a cantora.

As regravações têm outro sentido no ano em que Jobim chegaria aos 90 anos se não tivesse partido aos 67, em 8 de dezembro de 1994. Carminho diz que aos artistas novos cabe o papel de reapresentar os grandes criadores às jovens gerações e a plateias que ainda o conhecem de forma superficial.

“Alguns desses temas não são de conhecimento do público português. Muitos podem até conhecê-los, mas não sabem que o autor é Jobim. Não podemos só querer colocar músicas novas no mundo, já há tanta música no mundo que é preciso ter cuidado ao se colocar outras”, conclui.

Fonte: O Globo


 
« Voltar para índice de notícias