Notícias  
Vencedor do Prêmio Leya de Literatura é brasileiro
 

O Prêmio Leya de Literatura é o maior galardão para uma obra inédita escrita em língua portuguesa, e o júri desta 10.ª edição, contou com os novos membros, a escritora angolana Ana Paula Tavares, a jornalista e crítica literária portuguesa Isabel Lucas e o editor, jornalista e tradutor brasileiro Paulo Werneck.

Na decisão final que aconteceu no dia 17 de outubro, lida pelo presidente do júri, Manuel Alegre, os membros do júri elogiaram a “solidez da construção, o equilíbrio da narrativa e a forma como aborda o universo rural do Brasil, colocando ênfase nas figuras femininas, na sua liberdade e na violência exercida sobre o corpo num contexto dominado pela sociedade rural patriarcal. Sendo um romance que parte de uma realidade concreta, em que situações de opressão quer social quer do homem em relação à mulher, a narrativa encontra um plano alegórico, sem entrar num estilo barroco, que ganha contornos universais. Destaca-se a qualidade literária de uma escrita em que se reconhece plenamente o escritor”, referiu-se ainda o júri, concluindo que “todos estes motivos justificam a atribuição por unanimidade deste prêmio”.

Itamar Vieira Junior nasceu em Salvador da Bahia, em 1979. Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia é escritor, colunista da São Paulo Review e geógrafo Torto Arado — expressão usada pelo poeta luso-brasileiro Tomás António Gonzaga “em vários passos da sua obra”, segundo explicou Nuno Júdice, membro do júri do Prêmio Leya — é o primeiro romance deste brasileiro, que tem escrito sobretudo contos. É um dos finalistas ao Prêmio Jabuti, o mais importante prêmio literário brasileiro, na categoria de conto, com o livro A Oração do Carrasco, obra selecionada pelo edital setorial de literatura da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Torto Arado será publicado pela Leya no primeiro trimestre de 2019. No ano passado, o vencedor foi o romance “Os Loucos da Rua Mazur”, de João Pinto Coelho, escritor londrino que viveu a maior parte da vida em Lisboa.

 
« Voltar