Opinião  
 

"A Comunidade Luso-Brasileira de São Paulo tem no seu Conselho a entidade representativa de sua unidade de pensamento e expressão e nele cultua o idioma e as tradições que as irmana. Sem alarde, mas com acendrado civismo, lembra suas datas, honra seus heróis e cultua suas expressões maiores. De Gil Vicente e Júlio Dantas a Joracy Camargo e Nelson Rodrigues; de Camões e Fernando Pessoa a Castro Alves e Olavo Bilac; de Camilo Castelo Branco, Alexandre Herculano e Eça de Queiroz a Machado de Assis, Paulo Setúbal e João Guimarães Rosa; de Eggas Moniz a César Lattes; de Guiomar Novaes e Maria João Pires, as nações irmãs caminham pari passu na afirmação de suas expressões históricas, sociais e idiomáticas manifestando sempre, através dos tempos, seu traço comum que é a solidariedade desde a Rainha Leonor a Osvaldo Cruz. Todas essas figuras têm guarida no carinhoso respeito e exaltação da Comunidade e, dos proeminentes, o Conselho os comemora engalanado.

É, pois, digna de nosso apoio e admiração a significativa atividade que exerce o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira de São Paulo.”
"A rica história de Portugal, com seus feitos e conquistas de nossos antepassados, nos enchem de orgulho.Homens corajosos, destemidos, aventuram-se por outros mares na descoberta do novo mundo. A expansão marítima de Portugal no século 12 ganhou um extraordinário impulso com Don Henrique e a Escola de Sagres, fundada quase três séculos depois, por volta de 1417 no Algarve.

Dois professores, um inglês – John Law – e um francês – Michel Callon, num trabalho de pesquisa feito em Paris em fevereiro de 2001, reconheceram a importância da Escola de Sagres e os méritos de Don Henrique, o Navegador, dando-lhes maior valor, comparativamente ao Projeto Apolo, que levou o homem á Lua. Eles reconheceram Portugal como país – fundador da inovação na sua concepção moderna, inclusive na parte referente ao planejamento das iniciativas para novos descobrimentos.”


 
Fernando José Moredo - Presidente do Grupo Trasmontano
 
PERFIL
 

Fernando José Moredo, nascido em 23/04/1941 em Mogadouro, Trás- os - Montes, Portugal, chegou ao Brasil em 1951. Administrador de empresas especializado em gestão financeira. Foi eleito presidente da junta Governativa do Centro Trasmontano de São Paulo em 1997, assumiu a presidência da instituição em 1999 e foi reeleito em 2003 e em 2007. É presidente do Hospital IGESP desde maio de 1998 e diretor das empresas Moredo, onde começou a trabalhar em companhia do pai e dos irmãos aos 14 anos no processo de industrialização de pedras ornamentais

Por força de sua ligação com as origens portuguesas, é membro do Conselho Comunidade Luso-Brasileira. Foi diretor da Associação Portuguesa de Desportos por seis anos e desde 1966 ocupa o cargo de conselheiro, também assumiu a vice-presidência do Sindicato de Mármores e Granitos do Estado de São Paulo por 12 anos.

Foi agraciado com a medalha Paul Harris do Rotary Clube, diplomado como Colaborador Emérito do II Exército e condecorado com a Comenda de Mérito Comercial, pelo presidente da República Portuguesa Jorge Sampaio.

Caravela.com: da Escola de Sagres ao Brasil de ontem, hoje e sempre

Isso tudo mereceu de um grande jornal de São Paulo a definição de ‘Caravela.com.’ A partir da Escola de Sagres vieram novas conquistas, inclusive o descobrimento do Brasil. Além desse reconhecimento de Portugal como país inovador, recentemente, o professor Rubens Ricupero, ex-ministro da Economia, escreveu que a abertura dos nossos portos, por Don João VI foi o primeiro ato de Independência do Brasil, através da Carta Régia de 28 de janeiro de 1808.

A globalização, antes de sua existência oficial, tornou-se uma realidade, quatro dias após a chegada da família real ao Brasil, país que se manteve unido, graças a Portugal, e não se transformou em várias repúblicas como a América espanhola. Os ingleses inspiram a abertura dos portos, mas não gostaram porque Portugal não priorizou ninguém. Eles queriam um porto exclusivo preferencialmente em Santa Catarina, mais próximo e com maior acesso aos mercados da América Espanhola.

Foi assim que o Brasil cresceu, graças à presença portuguesa, e se tornou o país que é hoje. Essa presença portuguesa é cada vez maior.São Paulo é a quarta maior cidade portuguesa do mundo com cerca de dois milhões, sendo 800 mil portugueses e os demais seus descendentes. Hoje temos mais de 100 empresas portuguesas que investiram e vão investir mais no Brasil. Isto sem falar nos investimentos dos descendentes. Os imigrantes portugueses e seus descendentes somam 35% da população brasileira.

Portugal em 2002 foi o terceiro país em investimentos no Brasil. São empresas nos ramos de eletricidade, telefonia, construção civil, serviços (alimentação, hotelaria etc), transportes, informática – a empresa que veio para cá fornece suprimentos à NASA; e também em petróleo.A Petrogal é uma das investidoras na península petroleira de Tupi, no litoral de Santos. Numa projeção de produção de oito bilhões de barris, ela terá 10%.

São 507 anos de convivência de portugueses e brasileiros, ancorada nas relações comerciais, fraternais e culturais. E tudo começou lá atrás com a expansão marítima e os feitos históricos de nossos heróis e com a visão do navegador Don Henrique e a Escola de Sagres, raízes do nosso orgulho de sermos filhos de Portugal e irmão do Brasil. Para sempre.


 
« Voltar