Opinião  
 


"Portugal descobriu o mundo e o entregou a seus semelhantes, com sensibilidade, cordialidade, humanismo, amor e carinho. Sem guerras e conquistas, mais com a poesia épica e a literatura de Camões que mostrava ao mundo o quanto pode o amor, a paz, o entendimento, a harmonia, a aproximação, e tudo mais que a maioria das vezes foi esquecido e relegado a planos secundários. O Brasil, verdadeiro milagre econômico, social e geográfico, sem semelhantes no mundo, continua 'Um sonho intenso, um raio vívido', e é, 'Gigante pela própria natureza, belo, forte e impávido colosso'. Guardo com muito carinho, a lembrança de D. João VI, os dois 'Pedros' e todos os demais patrícios que construíram a grandeza brasileira. Tenho orgulho da minha origem portuguesa!"


 
Paulo Santos Mattos é advogado, jornalista e relações públicas
 
PERFIL
 

ATRAVESSAR A RUA E ENCONTRAR A PORTA DA CASA DO PAI

Tenho algumas lembranças da vida – já vivi 83 anos – que me comovem e até me levam às lágrimas. O ter representado, por exemplo, nos Teatros Municipais de Campinas e São Paulo a figura maravilhosa do “Tonico de Campinas”, o nosso Antonio Carlos Gomes, campineiro, conhecido no mundo inteiro por suas maravilhosas obras. Dele, Verdi disse, ao assistir o “Guarani”, no Scala de Milão: “Você começa onde eu terminei.”

Carlos Gomes é considerado ainda, o maior gênio musical das Américas, embora representado apenas como maestro, ele foi regente de toda renovação musical do Novo Mundo. Como eu, ele foi descendente de portugueses, que somos a maioria no Brasil.

Sou neto de lusitanos dos dois lados, isto é, de pai e mãe. Meu avô paterno era Modesto Jose de Oliveira Mattos, que embora nascido na Bahia, era filho de portugueses e veio morrer e ser enterrado no Estado de São Paulo, em Tapiratiba, perto de Itaiquara e Mococa. Meu avô materno, “o tripeiro”, como eram denominados os lá nascidos, Antonio Rodrigues dos Santos, tinha o cognome de “Seu” Portugal, em Campinas, pois nascera na cidade do Porto, cidade símbolo da península Ibérica, filho de alfacinha como eram chamados os lisboetas. Mas minha avó, Ana Mathilde dos Santos, era campineira, filha de portugueses, com ascendentes em Coimbra de cuja Universidade, um de meus avós foi reitor.

Na minha infância, era obrigatório em casa, o vinho, o azeite e o bacalhau importados. E meu Pai, quando nascia um filho – teve seis, quatro homens e duas mulheres”, distribuía garrafas do vinho do Porto, até mesmo de madrugada, pelas casas dos parentes e amigos, anunciando: ”Nasceu mais um Santos Mattos”.

Mais tarde, na minha adolescência e juventude, a primeira vez que fui a Portugal, nos finais dos anos quarenta, chorei quando vi “o presépio a beira mar plantado”. Daí, falei com a minha mãe por telefone, entre lágrimas, de Lisboa para Campinas, dizendo: ”Foi como atravessar a rua e entrar na casa do Pai”.

Portugal descobriu o mundo e o entregou a seus semelhantes, com sensibilidade, cordialidade, humanismo, amor e carinho. Sem guerras e conquistas, mais com a poesia épica e a literatura de Camões que mostrava ao mundo o quanto pode o amor, a paz, o entendimento, a harmonia, a aproximação, e tudo mais que a maioria das vezes foi esquecido e relegado a planos secundários.

Mas aí estamos, o País que mais fala português do mundo, língua que não é nem gutural, nem ácida ou explosiva como outras, mas que reúne a musicalidade e a doçura do latim - língua mãe – que nos traz ate hoje a grandeza do Império Romano.

O Brasil, verdadeiro milagre econômico, social e geográfico, sem semelhantes no mundo, continua “Um sonho intenso, um raio vívido”, e é, “Gigante pela própria natureza, belo, forte e impávido colosso”. Guardo com muito carinho, a lembrança de D. João VI, os dois “Pedros” e todos os demais patrícios que construíram a grandeza brasileira. Tenho orgulho da minha origem portuguesa!

CURRICULUM VITAE

Nascido em Campinas, Estado de São Paulo, em 01 de outubro de 1925, Paulo Santos Mattos é advogado, jornalista, publicitário, relações públicas, organizador de eventos, professor, palestrante e orador. É o mais antigo jornalista brasileiro de turismo vivo, que tanto divulgou o Brasil em vários paises do mundo, com a sua palavra escrita ou falada.

É fundador, foi o primeiro presidente, repetindo por vários mandatos a presidência da ABRAJET-SP, Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo, divulgando-a por todo o Brasil e alguns paises do mundo. Há vários anos é seu presidente de honra, tendo sido também presidente da entidade nacional, e é também seu atual Presidente de Honra.

Muito ajudou Araújo Castro na implantação das ABRAJETs Estaduais e foi vice-presidente da CLAPTUR - Confederacion Latino Americana de Prensa Turística, representando na ocasião a imprensa da América Latina.

Há 30 anos passados promoveu e apoiou a fundação da SBT- Sociedade Brasileira de Termalismo, da qual foi diretor, vice-presidente e presidente. Atualmente é vice-presidente.

Foi editor cerca de 20 anos da página diária no antigo jornal “A Gazeta”, exercendo ainda ao longo de cerca de 50 anos as funções de editor de Aviação e Turismo nos seguintes jornais: A Gazeta Esportiva, Diário de São Paulo, Diário da Noite, A Gazeta de Santo Amaro e outros. Foi também Editor de Política, de Economia, e de outros setores em vários jornais.

Exerceu o cargo de diretor, editor e redator das seguintes publicações: Revista dos Aviadores, Revista da Fundação Santos Dumont, Velocidade, Pan Rotas, Guia Aeronáutico, Jornal da ABRAJET-SP, Ponte Aérea, Jornal e Revistas do Sindicato de Hotéis, Restaurantes e Similares, e outras. É proprietário e diretor do jornal Voz do Turismo.

São conhecidos também o grande apoio e difusão que sempre deu às agências de viagens, à aviação, à hotelaria, à gastronomia, aos profissionais e às entidades ligadas ao turismo.

Exerceu vários cargos nas seguintes empresas aéreas: Real Aerovias, Varig, Panair de Brasil, K.L.M., Ibéria, Transbrasil, e na hotelaria foi Assessor de Imprensa da Rede Horsa, dos Hotéis Bourbon e diretor de comunicações da Rede Othon de Hotéis, do Sindicato e Federação de Hotéis do Estado de São Paulo.

Participou de mais de uma centena de Congressos Nacionais e Internacionais de Turismo, muitos deles como palestrante. Foi superintendente da ABAV-SP, do Sindicato de Empresas de Turismo e membro do Conselho de Turismo da Federação do Comercio do Estado de São Paulo. Ajudou a fundar a Associação de Guias de Turismo e a Associação de Comissários de Vôo do Brasil, entidades para as quais foi eleito “padrinho”.

Criador e realizador dos Salões Profissionais de Turismo, promovido pelo Sindicato das Empresas de Turismo do Estado de São Paulo, e posteriormente apoiados pela Associação Brasileira de Agência de Viagens – ABAV.

Recebeu grande número de homenagens nacionais e estrangeiras, dentre as quais destacamos: Pioneiros da Aeronáutica, Medalha Santos Dumont, Membro da Força Aérea Brasileira, Medalha Ruy Barbosa, Medalha Marechal Rondon, Solidariedade do Acre, Cidadão Honorário de várias cidades, entre as quais de Rosário na Argentina, alem de comendas como Pedro Álvares Cabral e inúmeros troféus.

Exerceu cargos nas entidades oficiais e particulares de turismo, e em várias Secretarias Estaduais, tendo sido Diretor do antigo Departamento de Turismo do Estado de São Paulo, na Fazenda, no Trabalho, na Assembléia Legislativa do Estado e outras.

Colaborou na criação e foi presidente da Fundação Santos Dumont; participou da organização da “Revoada a São Pedro”, feita pela UBAC - União Brasileira de Aviadores Civis, da Revoada do IV Centenário, em 1954, da Iª Exposição de Aeronáutica e Automobilismo, em 1954, e foi realizador e diretor da 1ª Exposição de Aeronáutica e Espaço, realizada no Ibirapuera, em 1963, e que foi concomitante com 12 Congressos de Especialidades Aeronáuticas e Turísticas e ainda da revoada de pilotos a Punta del Este, no Uruguai.

Foi Relações Públicas da IV Zona Aérea da Força Aérea Brasileira e do Ministério da Aeronáutica.

Criou o Serviço Jurídico gratuito de Assistência ao trabalhador do Governo de São Paulo e foi advogado do Samdu.

Durante muitos anos foi membro dos Conselhos Municipais e Estaduais de Turismo e um dos fundadores e presidente da Sociedade Brasileira de Termalismo, sendo atualmente seu vice-presidente. Foi presidente do Fundo Municipal de Turismo, de São Paulo e um dos fundadores do São Paulo Convention and Visitors Bureau.

Em São Paulo é hoje o mais antigo “skalega” do SKAL Clube de São Paulo, do qual foi Diretor de Relações Públicas, de Divulgação e outros cargos, inclusive na Diretoria Nacional.

ATIVIDADES NA TERRA NATAL: CAMPINAS-SP

O Campineiro Paulo Santos Mattos é filho de Agrippino Chagas Santos Mattos e Nathalia Mathilde dos Santos Mattos.

Em 1.936 participou das comemorações do Centenário de Carlos Gomes, em Campinas (SP). Por iniciativa de d. Silvia Simões Magro, diretora da Escola primária anexa à Escola Normal Oficial, personificou, com cerca de 50 alunos, da teatralização do momento de Carlos Gomes, ao voltar vitorioso da Europa, depois do sucesso da estréia do “Guarany”, no Teatro Scala de Milão. Como Carlos Gomes, apresentou-se nos Teatros Municipais de Campinas (destruido por políticos) e de São Paulo, capital.

Nessa época já escrevia para os jornais Diário do Povo, e Correio Popular.

Em 1.939 participou das comemorações do bicentenário da fundação da cidade de Campinas, segundo afirmação do radialista Jolumá Brito e outros jornalistas, que mais tarde foram acusados de terem se enganado.

Seu primeiro emprego, aos 14 anos de idade, foi na exposição do bicentenário, como locutor do Serviço de Alto Falantes, realizada no antigo hipódromo do Bonfim, na companhia de grandes figuras do radio campineiro e nacional.

Em 1.943 trabalhou na Caixa de Aposentadoria e Pensões dos Ferroviários da Companhia Mogiana de Estrada de Ferro como escriturário. Nessa época também escrevia para o jornal “A Gazeta”, através da sucursal deste importante vespertino em Campinas. Nessa época foi aluno da Faculdade de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Em 1.946 foi eleito presidente da Federação dos Estudantes de Campinas – FEC - e realizou grande programas como: Olimpíada Estudantina, Maratona Intelectual, Concertos Musicais para o povo com Bandas dos Fuzileiros navais da Marinha, da Força Pública do Estado de São Paulo e da Guarda Civil.

Liderou e lutou através de grande movimento, com o então Governador Ademar de Barros pela criação dos cursos noturnos do Ginásio “Culto à Ciência”, da Escola Normal, que conseguiu a denominação de “Carlos Gomes” e do Instituto Profissional “Bento Quirino”.


 
« Voltar