Opinião  
 

"SOLIDARIEDADE E HOSPITALIDADE NA COMUNIDADE LUSÓFONA

A Força da Comunidade Luso-Brasileira

Há algumas décadas, em São Paulo, dedico uma parte significativa de minha atuação profissional e de minhas pesquisas ao estudo de questões lusófonas e dos valores matriciais da cultura portuguesa, brasileira e luso-brasileira.
Nos últimos quarenta nos atuo no nível universitário, a partir da Universidade de São Paulo, com um pé em atividades empresariais, que ainda mantenho. Nunca abdiquei de meu papel de pensador e de empreendedor.
Novamente participo da Diretoria da Casa de Portugal, atuando na área cultural, atendendo a convite de nosso dinâmico Presidente. Considero que as organizações dos povos de Língua Portuguesa são essenciais à preservação do espírito lusófono e da bela língua que a todos nos irmana.
Bem sabemos que, em nosso tempo, tão versátil e tão dinâmico, quem não é organizado é tutelado e dominado pelos seus concorrentes.

É por este motivo que aplaudo a atuação do Conselho da Comunidade Luso-Brasileira dos Estado de São Paulo, que tem como missão estimular, reforçar e difundir a atuação de todas as organizações de nossas comunidades, em nível Estadual, contribuindo para que se mantenham vivas e atuantes, com a qualidade que as dignifique, criando coesão e solidariedade entre as pessoas.
A Casa de Portugal pode ser um símbolo da vitalidade e riqueza sócio-cultural da Comunidade Luso-Brasileira.

Embora o Português , no Brasil, como nos demais países lusófonos, não se sinta estrangeiro, é fundamental a boa organização atuante, solidária e democrática de todos, para manter viva, atuante e versátil o espírito que rege o nosso modo de ser, de pensar e de amar, sempre solidário, empreendedor e hospitaleiro.
O português, como princípio, com raras exceções, atua como agente transformador, por uma sociedade com mais qualidade de vida e mais desenvolvimento e prosperidade.
Essa é a marca registrada de atuação dos portugueses, nos quatro cantos do mundo, superando percalços .
Em São Paulo, a maior cidade de Língua Portuguesa do mundo, apesar das grandes realizações sócio-culturais e dos modelares empreendimentos dos membros de nossa Comunidade Luso-Brasileira ainda e sempre teremos muitos desafios a vencer e muitas dificuldades a superar.

Portugal e Brasil mantêm relações bilaterais muito estimulantes. São países irmãos e solidários.
No entanto nem sempre os tratados assinados têm as dimensões e resultados esperados. Ainda há muito a fazer, na prática, para que se aprofunde mais a solidariedade e cooperação de nossos dois povos, com destaque dentro da solidariedade, sem fronteiras, de todos os povos do globo.

É notável, na atualidade, o número de brasileiros que visitam Portugal. Não há lugar turístico, por mais distante que seja, onde não encontremos sempre diversos grupos de brasileiros desfrutando da história, das belezas, da gastronomia, da convivência e da hospitalidade do país.
O brasileiro que visita Portugal é sempre uma presença querida, auspiciosa e simpática, com raras exceções, proporcionando momentos e manifestações de carinho, de descontração, de alegria, e de solidariedade quando lá nos encontramos como brasileiros e portugueses.

Nos últimos anos venho me dedicando, com especial carinho, a questões da solidariedade lusófona, nos quatro cantos do mundo: nos oito povos de Língua Oficial Portuguesa, e em todos os demais países, onde há sempre comunidades atuantes de lusófonos, dando sua contribuição efetiva ao desenvolvimento de todos os povos, com muita dedicação e competência enquanto buscam o bem-estar e a prosperidade dos seus. Onde está, o português leva desenvolvimento e prosperidade.
Efetivamente os lusófonos, por toda a parte, quase sempre são uma presença atuante, auspiciosa e solidária.
Em Portugal, o brasileiro, como todos os lusófonos do mundo, sentem-se bem como na própria casa. Uma das marcas mais apreciadas do mundo lusófono é a hospitalidade solidária e o bom acolhimento."


Nota: no texto (“Perspectivas do Mundo Lusófono”) que propus aos participantes do II Encontro da Juventude Luso-Brasileira, em São Paulo, o leitor pode aprofundar um pouco mais o que aqui escrevi:
Perspectivas do Mundo Lusófono
Nossa Pátria Lusófona
Lusitanidade, Lusofonia e Universalidade
Lusofonia, um Patrimônio Histórico Imaterial
Portugal, um Ícone Mundial


 
Professor José Jorge Peralta
 
PERFIL
 

CURRICULO
Nascido em Vagos - Aveiro – Portugal. Reside em São Paulo – Brasil, desde 1956. Estudos Secundários em Aveiro e em São Paulo. É Professor aposentado da USP e Diretor e Pesquisador do Instituto Edubraz. É Filósofo, Educador, Conferencista, Consultor, Escritor e Administrador. Em todas as suas atividades sempre atuou como empreendedor, por uma sociedade melhor para todos; pôs a ciência e o saber a serviço do bem-comum.

Bacharel e licenciado em Letras – USP; Bacharel e licenciado em Filosofia; Doutor em Letras – Linguística e Semiótica – USP – 1979.

Atividades Docentes: Professor do Ensino Médio; Professor de Linguística – USP, onde se aposentou. Professor e Orientador, em nível de Pós-Graduação, na USP. Diretor da Faculdade Interlagos; Diretor da Faculdade Euro-Panamericana, até 2008.
Tem atuação destacada na revitalização e reconhecimento das grandes marcas e paradigmas da cultura lusófona no mundo: a epopéia marítima; a epopéia templária; a epopéia bandeirante no Brasil; a solidariedade lusófona; a criação de novas civilizações, etc.

Outras Atividades:
Gerenciador dos websitios:
www.portaldalusofonia.com.br
www.vieira400anos.com.br
www.bandeirantes-sp.com.br
www.tribunatropical.blogspot.com
www.tribunalusofona.blogspot.com
www.alfa8omega.blogspot.com
www.globilingua.blogspot.com
www.globivox.com.br – (Rede Articuladora)

Destaque de Ensaios Publicados:
1. Poética Multissemiótica de Fernando Pessoa;
2. Lusofonia – Nossa Pátria Linguística;
3. Expansão da Língua Portuguesa no Mundo;
4. Projeto Globilíngua - Língua Portuguesa como Língua Internacional;
5. Lusofonia Global - Lusitanidade, Lusofonia e Universalidade
6. Pilares da Civilização Cristã;
7. Tetralogia Analítica - Novo Paradigma do Pensar


 
« Voltar