Opinião  
 

Brasil, Portugal e São Paulo

As relações entre o Brasil e Portugal terão poucos equivalentes – se algum mesmo – com as demais relações bilaterais entre Estados soberanos no mundo atual. A nossa história e a nossa cultura, sempre unidas pela nossa maior herança que é a língua portuguesa, criaram entre os dois países laços que superam o simples relacionamento entre duas entidades políticas e tornaram os contactos oficiais quase numa mera formalidade. Os portugueses sentem-se em casa no Brasil, e os brasileiros sentem-se em casa em Portugal. Em que outra situação é que um chefe de Estado visita um país e se encontra, literalmente, com a família? Em que outro caso é que um chefe de Estado afirma antecipadamente, sem qualquer receio, – e à revelia de muitos “peritos” e de alguns dos seus homólogos – que a maior competição desportiva do planeta será um sucesso, exatamente por decorrer neste país?

Como é óbvio, os porta-estandartes deste relacionamento nunca foram, nem poderiam ser, os políticos, ou mesmo os diplomatas. Foram e continuam a ser as comunidades, dos dois lados do Atlântico, a definir as relações entre o Brasil e Portugal. E, neste aspeto, é necessário destacar a comunidade portuguesa em São Paulo e, o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo, no seu incansável trabalho de divulgação de Portugal e preservação do patrimônio luso.

A comunidade portuguesa em São Paulo é, em si, um excelente exemplo do relacionamento entre os nossos dois países. Tendo a distinção de estar ligada à fundação desta grande cidade, é hoje a maior comunidade estrangeira aqui presente (mais de 226 mil portugueses, numa estimativa por baixo) e ajuda com o seu trabalho a construir São Paulo cada dia. É uma comunidade ativa, tanto no campo econômico, como cultural, com cada vez mais artistas e empresários a cruzarem o mar comum para ligarem São Paulo a todos os cantos de Portugal, e vice-versa. Mas é também uma comunidade em crescimento: além dos portugueses que emigram para este lado, o Consulado Geral em São Paulo atribui cerca de 800 nacionalidades por mês.

Só estes números já impressionam e são bons indicadores do nível de trabalho realizado por este Consulado Geral. Mas mais que quantidade, é a qualidade dos serviços prestados por esta missão diplomática que a tornaram uma referência. É também graças à excelência do trabalho realizado pela equipe do consulado que hoje me encontro aqui em São Paulo: para ajudar a manter, e se possível reforçar, este trabalho junto da comunidade.

Para lá de colaborar no relacionamento formal e, digamos, mais mediático entre os dois países, sejam visitas ou reuniões oficiais, é com a comunidade portuguesa e luso-brasileira que o Consulado Geral desenvolve as suas atividades. E é esta comunidade que define, e continuará a definir, com as suas congêneres no resto do Brasil e em Portugal os vínculos entre as duas Nações.


 
Hugo Miguel Andrade Martins Gravanita, Cônsul Geral Adjunto de Portugal em São Paulo
 
PERFIL
 

Nome: Hugo Miguel Andrade Martins Gravanita
Naturalidade: Lagoa, Algarve
Data Nascimento: 31 de maio de 1989
Formação:
- Licenciado em Relações Internacionais pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa
- Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Tese de Mestrado - “O Crescimento Econômico da China: implicações na região da Ásia-Pacífico”.
Carreira Profissional: Ingressou na carreira diplomática em 2013. Trabalhou na Direção Geral de Política Externa e na Direção Geral de Assuntos Europeus. Colocado em São Paulo, como Cônsul Geral Adjunto, em agosto de 2016.


 
« Voltar