“Todo homem tem deveres com a comunidade”

Declaração Universal dos Direitos do Homem

NOTÍCIAS
Como morar em Portugal sem ser luso ou descendente

Embora o pedido do visto para morar em Portugal seja um pouco burocrático e precisa se encaixar em pré-requisitos, nada melhor do que morar legalmente no país, sem preocupações.

Eis alguns tipos de visto para morar em Portugal:

Visto para morar em Portugal menos de um ano Estudantes, aposentados, trabalhadores, pesquisadores e até pessoas em tratamento de saúde podem solicitá-lo.

Visto para morar em Portugal mais de um ano
Existem diversos tipos de visto para morar em Portugal por mais tempo e é preciso saber quais os pré-requisitos de cada um deles para que o interessado possa solicitar o mais adequado. Embora seja o começo do caminho, é preciso destacar que ter um visto para morar em Portugal não garante a residência no país. O visto é a primeira parte de todo um processo e obrigatoriamente é preciso também passar pelo antigo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), hoje SEA, Serviço de Estrangeiros e Asilo, para solicitar a sua Autorização de Residência (AR).

Visto para morar em Portugal como estudante
Para estudar e morar em Portugal, é preciso solicitar o visto D4, que é o ideal para o imigrante que foi aceito ou já possui a matrícula em uma instituição portuguesa de ensino. Bom lembrar que as notas do Enem são aceitas em muitas universidades portuguesas. Caso já seja um estudante na União Europeia e quer continuar seus estudos em Portugal, é preciso solicitar o visto D5.

Visto para trabalhar em Portugal
Os vistos de trabalho são mais restritos do que os de estudante, pois é preciso ser contratado por uma empresa com sede em Portugal para dar entrada na solicitação do visto para morar em Portugal. Ele é permitido para os trabalhadores de todas as áreas (visto D1) e para profissionais altamente qualificados, normalmente cargos no setor de tecnologia (visto D3).

Visto para morar em Portugal como empreendedor
Para o empreendedor em busca um desafio para morar em Portugal, é o visto D2 que permite que empreendedores imigrantes desenvolvam atividades no país, seja um empreendedor individual ou mesmo a abertura de uma empresa.

Para este tipo de visto para morar em Portugal, o solicitante deve apresentar um plano de negócios da sua empresa, seja ela de serviços ou produtos, o qual deve ser aprovado antecipadamente.

Vistos de Tecnologia para morar em Portugal
Embora seja um país pequeno, Portugal tem se desenvolvido muito na área de tecnologia e por isso, busca atrair profissionais qualificados de todo o mundo.

Para tanto criou alguns tipos de visto para morar em Portugal e também trabalhar ou empreender na área de tecnologia, além do visto D3.

Um deles é o Startup Visa, voltado para empreendedores estrangeiros que gostariam de desenvolver um projeto inovador em Portugal. Ele funciona com o acolhimento desse projeto por empresas incubadoras no país, já certificadas anteriormente, que irão ajudar a startup a se estabelecer e se instalar em Portugal. Outra possibilidade de visto para morar em Portugal é o Tech Visa. Seu principal objetivo é atrair profissionais altamente qualificados da área de tecnologia com uma forma simplificada de contratação. Ele é direcionado para profissionais contratados e requer um contrato de trabalho. As empresas contratantes também precisam ser previamente certificadas e podem ter até 50% do seu quadro de funcionários contratados pelo Tech Visa.

Vistos de Residência para Portugal – Longa duração
Visto para morar em Portugal com as rendas do Brasil (aposentados)

O Visto de Rendimentos, também conhecido como D7, é mais uma alternativa para quem tem rendimentos próprios no Brasil e pensa em ter um visto para morar em Portugal. Ele é direcionado para aposentados ou mesmo pessoas que possuam rendimentos próprios oriundos de aplicações financeiras, rendas de aluguéis ou investimentos. Para solicitar o visto D7 é preciso comprovar que essa renda pode sustentar o interessado por, pelo menos, 12 meses em Portugal. Caso queira a família também por esse visto para morar em Portugal, deve comprovar o sustento de todos. Atualmente, o valor exigido é de 100% do salário mínimo português vigente para o titular do visto, 50% para o segundo adulto e 30% para cada criança.

Por exemplo:
Hoje o salário mínimo em Portugal é de 665€.
Um adulto precisaria de 7.980€/ano
O segundo adulto e os demais precisariam de 3.990€/ano cada
Cada criança precisaria de 2.394€/ano

Fonte: Nacionalidade Portuguesa Assessoria/ Câmara Portuguesa

A comunidade sempre promove eventos para preservar a nossa história e nossa cultura, seja por intermédio da gastronomia, da música, das artes em geral. Anotem os programas que vão acontecer. Divulguem. Participem.
Nosso Conselho, sempre atento aos eventos que envolvem a comunidade, informa que um espaço localizado no bairro da Mooca, na Capital, promove no mês de dezembro, o Portugal Fest Musical que, na verdade será um encontro da cultura tradicional e contemporânea do país europeu.
O escritor brasileiro Rafael Gallo é o vencedor do Prêmio José Saramago, no valor de 40.000 euros, pelo seu romance “Dor fantasma”, que será publicado em Portugal pela Porto Editora. Também será editada no Brasil, pela Globo Livros, e distribuída em todos os países da lusofonia, uma das condições previstas no prêmio.
Patrocinadores:
Premium
São Critóvão
Silver
BBR
Apoio:
Apoio
Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo
Edifício "Casa de Portugal" Av. Liberdade, 602 - São Paulo/SP - Cep 01502-001 - Celular/WhatsApp +55 (11) 94513-0350 - Telefones +55 (11) 3342-2241 e (11) 3209-5270
www.cclb.org.br - cclb@cclb.org.br - Entidade de Utilidade Pública - Lei Estadual 6.624 de 20/12/1989 - Jornalista responsável: Maristela Bignardi - MTb. 10.204

Somos privilegiados pela herança lusitana e também por podermos contar com o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo que é o órgão que congrega nossa cultura viva em solo paulista. Pelo Conselho a história não se perde, porque uma das diretrizes da entidade é preservar e valorizar nossos usos e costumes que mantêm a tradição de nossa gente sempre presente nos festivais, no folclore, na música e na gastronomia. A ação do Conselho é defender um legado histórico e cultural inestimável.

Este site usa cookies. Os cookies neste site são usados ​​para personalizar o conteúdo, fornecer recursos de mídia social e analisar o tráfego. Além disso, compartilhamos informações sobre o uso do site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise da web, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram do uso de seus serviços.
Concordo