“Todo homem tem deveres com a comunidade”

Declaração Universal dos Direitos do Homem

NOTÍCIAS
A eterna Florbela Espanca

À frente de seu tempo, Florbela Espanca causou grande impressão entre seus pares e entre literatos e público de seu tempo e de tempos posteriores. Além da influência que seus versos tiveram nos versos de tantos outros poetas, são aferidas também algumas homenagens prestadas por outros eminentes poetas à pessoa humana e lírica da poetisa. Manuel da Fonseca em seu “Para um poema a Florbela” cantava “(…)E Florbela, de negro,/ esguia como quem era,/ seus longos braços abria/ esbanjando braçados cheios/ da grande vida que tinha!”. Também Fernando Pessoa, em um poema datilografado e não datado de nome “À memória de Florbela Espanca”, descreve-a como “alma sonhadora/ Irmã gêmea da minha!”.

Estudou no liceu de Évora, mas só depois do seu casamento (1913) com Alberto Moutinho concluiu, em 1917, a secção de Letras do Curso dos Liceus.

Em Outubro desse mesmo ano matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, que passou a freqüentar. Na capital, teve contato com outros poetas da época e com o grupo de mulheres escritoras que então procurava impor-se. Colaborou em jornais e revistas, entre os quais o Portugal Feminino. Em 1919, quando freqüentava o terceiro ano de Direito, publicou a sua primeira obra poética, “Livro de Mágoas”.

A poesia de Florbela caracteriza-se pela recorrência dos temas do sofrimento, da solidão, do desencanto, aliados a uma imensa ternura e a um desejo de felicidade e plenitude que só poderão ser alcançados no absoluto, no infinito. A veemência passional da sua linguagem, marcadamente pessoal, centrada nas suas próprias frustrações e anseios, é de um sensualismo muitas vezes erótico. Simultaneamente, a paisagem da charneca alentejana está presente em muitas das suas imagens e poemas, transbordando a convulsão interior da poetisa para a natureza.

Eis suas obras:
•Livro de Mágoas, Lisboa, Tipografia Maurício, 1919.
•Livro de Mágoas Sóror Saudade, Lisboa, Tipografia A Americana, 1923.
•Charneca em Flor, Coimbra, Livraria Gonçalves, 1931.
•Charneca em Flor (com 28 sonetos inéditos), Coimbra, Livraria Gonçalves,
1931.
•Cartas de Florbela Espanca, (a Dona Júlia Alves e a Guido Battelli),
Coimbra, Livraria Gonçalves, 1931.
•As Máscaras do Destino, Porto, Editora Maranus, 1931.
•Sonetos Completos, (Livro de Mágoas, Livro de Sóror Saudade, Charneca em
Flor, Reliquiae), Coimbra, Livraria Gonçalves, 1934.
•Cartas de Florbela Espanca, Lisboa, Edição dos Autores, s/d, prefácio de
Azinal Abelho e José Emídio Amaro(1949).
•Diário do último ano, Lisboa, Bertrand, 1981, prefácio de Natália Correia.
•O Dominó Preto, Lisboa, Bertrand, 1982, prefácio de Y. K. Centeno.
•Obras Completas de Florbela Espanca, Lisboa, Publicações Dom Quixote,
1985-1986, 08 vols., edição de Rui Guedes.
•Trocando Olhares, Lisboa, Imprensa Nacional/ Casa da Moeda, 1994; estudo
introdutório, estabelecimento de textos e notas de Maria Lúcia Dal Farra

Um dos poemas de Florbela:
“Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

Boas informações históricas: o Museu Paulista, mais conhecido como Museu do Ipiranga, inaugurou no aniversário da cidade de São Paulo, 25 de janeiro, um novo espaço com uma exposição dedicada às Memórias da Independência.
A Capital ganhou no dia de seu aniversário, 25 de janeiro, a exposição fotográfica “A Cara de São Paulo - 2023” dos fotógrafos Catarina Machado e José Barbosa, já em sua terceira edição e que fica à disposição do público até 15 de fevereiro no Shopping Cidade São Paulo, na Avenida Paulista.
Entre 26 de janeiro e 4 de fevereiro, estará acontecendo a primeira deslocação oficial do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas (SECP), Paulo Cafôfo, junto dos portugueses e lusodescendentes no Brasil, de acordo com o governo português.
Patrocinadores:
GOLD
São Critóvão
Apoio:
Apoio
Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo
Edifício "Casa de Portugal" Av. Liberdade, 602 - São Paulo/SP - Cep 01502-001 - Celular/WhatsApp +55 (11) 94513-0350 - Telefones +55 (11) 3342-2241 e (11) 3209-5270
www.cclb.org.br - cclb@cclb.org.br - Entidade de Utilidade Pública - Lei Estadual 6.624 de 20/12/1989 - Jornalista responsável: Maristela Bignardi - MTb. 10.204

Somos privilegiados pela herança lusitana e também por podermos contar com o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo que é o órgão que congrega nossa cultura viva em solo paulista. Pelo Conselho a história não se perde, porque uma das diretrizes da entidade é preservar e valorizar nossos usos e costumes que mantêm a tradição de nossa gente sempre presente nos festivais, no folclore, na música e na gastronomia. A ação do Conselho é defender um legado histórico e cultural inestimável.

Este site usa cookies. Os cookies neste site são usados ​​para personalizar o conteúdo, fornecer recursos de mídia social e analisar o tráfego. Além disso, compartilhamos informações sobre o uso do site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise da web, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram do uso de seus serviços.
Concordo