“Todo homem tem deveres com a comunidade”

Declaração Universal dos Direitos do Homem

NOTÍCIAS
Bartolomeu de Gusmão, primeiro cientista das Américas

Bartolomeu Lourenço de Gusmão nasceu na cidade de Santos, estado de São Paulo, em dezembro de 1685 e foi registrado como “português nascido no Brasil” porque o Brasil era colônia de Portugal. Aprendeu as primeiras letras na cidade natal e, a seguir, tutelado pelo jesuíta Alexandre de Gusmão, foi estudar em Cachoeira do Paraguaçu, na Bahia, no seminário que era considerado na época um dos melhores estabelecimentos de ensino do Brasil.

Em terras baianas, Bartolomeu deu as primeiras provas de sua mente prodigiosa ao inventar uma “engenhoca” que causou sensação, porque transportou água do Rio Pitanga para o interior do seminário. Por se tratar do primeiro invento patenteado no continente americano, ele é considerado o “primeiro cientista das Américas”.

Porém, seu momento de glória ocorreu em Lisboa, no dia 8 de agosto de 1709. No Palácio Real, na Sala das Embaixadas, diante do rei D. João V, da rainha Dona Maria Ana de Áustria, do núncio apostólico, de embaixadores e autoridades de vários países, o jovem Bartolomeu fez a apresentação do seu invento: um pequeno globo de papel impulsionado a calor subiu suavemente a uns quatro metros de altura. Foi ele o primeiro homem do mundo a conseguir elevar um objeto do solo, impulsionando-o com calor. O reconhecimento internacional foi divulgado pelo conceituado The Guinness Book of Aircraft – Records, Facts and Feats (Livro Guinness de Aeronaves – Recordes, Fatos e Feitos), que em 1988 já estava em sua quinta edição. Do capítulo Balões consta que o padre Bartolomeu de Gusmão executou em 8 de agosto de 1709, em Lisboa, a primeira demonstração pública bem-sucedida de um modelo de balão a ar quente.

No dia três de outubro de 1709, ao ar livre, o balão por ele confeccionado subiu aos ares e ganhou altura. O êxito da experiência confirmou que o santista inventara o aeróstato a ar quente, promovendo em Lisboa a primeira ascensão aerostática do mundo. Como precursor da navegação aérea, tornou-se mensageiro da fantástica notícia: o homem, um dia, conseguirá voar. Por sua invenção foi cognominado “Voador” ou “Padre Voador”.

Instruído na Oratória Poética, conhecedor de Mitologia, Matemática, Filosofia, falava latim, francês, italiano e tinha grande conhecimento do grego e do hebraico. Cursou a Faculdade de Cânones da Universidade de Coimbra, de onde saiu, inclusive, com o título de Bacharel e Doutor em Direito Canônico.

Bartolomeu de Gusmão faleceu em 18 de novembro de 1724, no Hospital da Misericórdia de Toledo, Espanha, e foi sepultado na Igreja de São Romão. Transladado para São Paulo em 1966, numa bonita cerimônia cívico-militar-religiosa, no dia 24 de março de 2004 seus restos mortais foram sepultados na cripta da catedral da Sé. No dia 16 de abril desse mesmo ano, o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Luiz Carlos da Silva Bueno, aprovou e assinou a nomeação do padre Bartolomeu de Gusmão como Patrono dos Capelães da Aeronáutica.

Esse ilustre inventor brasileiro viveu apenas 39 anos, mas presenteou a humanidade com uma invenção prodigiosa graças à qual deu o primeiro passo na estrada que levou o homem à Lua.

E tudo isso aconteceu há 314 anos.

Em Lisboa, na Sala das Embaixadas do Palácio Real.

Fonte: Laurete Godoy, pesquisadora e escritora, autora do livro Brasileiros voadores – 300 anos pelos céus do mundo.

 “A vossa justiça, toda a vossa justiça, não pode e não deve esquecer o primeiro, o precursor Bartholomeu Lourenço de Gusmão, o primeiro da aviação, também nosso, também brasileiro, ao lado do qual está o meu orgulho, que não poderá ser maior.”

Alberto Santos-Dumont,
Rio de Janeiro, 1922.

A tradição portuguesa se faz presente em diversas dimensões e a realização das festas em que se perpetua a maneira de ser da comunidade é uma realidade. Nossas festas, nossos eventos aí estão para mostrar o que há de bom na música, na gastronomia, na história luso-brasileira. Acompanhe e participe dos próximos acontecimentos que, com certeza, unem cada vez mais as duas nações.
O Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo (CCLB) realizou reunião de Diretoria de 2024, em 29 de maio, às 18h30, na sala de reuniões da Casa de Portugal, bairro da Liberdade, Capital. Na oportunidade, Antero José Pereira, presidente do CCLB, mostrou seu empenho com foco do desenvolvimento da entidade, passando por um devido planejamento e sempre contando com a participação do trabalho dos diretores do Conselho.
Portugal e Brasil renovaram, por mais cinco anos, um memorando de entendimento de apoio às aulas de língua portuguesa na Escola Internacional das Nações Unidas (UNIS), segundo fontes oficiais da Lusa.
Patrocinadores
Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo
Edifício "Casa de Portugal" Av. Liberdade, 602 - São Paulo/SP - Cep 01502-001 - Celular/WhatsApp +55 (11) 94513-0350 - Telefones +55 (11) 3342-2241 e (11) 3209-5270
www.cclb.org.br - cclb@cclb.org.br - Entidade de Utilidade Pública - Lei Estadual 6.624 de 20/12/1989 - Jornalista responsável: Maristela Bignardi - MTb. 10.204

Somos privilegiados pela herança lusitana e também por podermos contar com o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo que é o órgão que congrega nossa cultura viva em solo paulista. Pelo Conselho a história não se perde, porque uma das diretrizes da entidade é preservar e valorizar nossos usos e costumes que mantêm a tradição de nossa gente sempre presente nos festivais, no folclore, na música e na gastronomia. A ação do Conselho é defender um legado histórico e cultural inestimável.

Este site usa cookies. Os cookies neste site são usados ​​para personalizar o conteúdo, fornecer recursos de mídia social e analisar o tráfego. Além disso, compartilhamos informações sobre o uso do site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise da web, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram do uso de seus serviços.
Concordo