“Todo homem tem deveres com a comunidade”

Declaração Universal dos Direitos do Homem

NOTÍCIAS
Dia Mundial do Fado

O fado é um estilo musical português, geralmente é cantado por uma só pessoa (fadista) e acompanhado por uma guitarra clássica (nos meios fadistas denominada viola) e uma guitarra portuguesa.  Embora a sua origem seja objeto de debate, enquanto canção popular urbana, desenvolveu-se sobretudo a partir de Lisboa, no final do século XIX. 

A palavra fado vem do latim fatum, ou seja, “destino”, é a mesma palavra que deu origem às palavras fada, fadario, e “correr o fado”. Uma explicação popular para a origem do fado de Lisboa remete para os cânticos dos mouros, no entanto, tal explicação não está inteiramente comprovada. Apesar de não existirem registros do fado até o início do século XIX, era conhecido no Algarve, último reduto dos árabes em Portugal em 1249, e na Andaluzia onde os árabes permaneceram até o final do século XV.

No entanto o fado só passou a ser conhecido depois de 1840, nas ruas de Lisboa. Nessa época só o fado do marinheiro era conhecido, e era, tal como as cantigas de levantar ferro as cantigas das fainas, ou a cantiga do degredado, cantado pelos marinheiros na proa do navio. O fado mais antigo é o fado do marinheiro, e é este fado que vai se tornar o modelo de todos os outros gêneros de fado que mais tarde surgiriam como o fado corrido que surgiu a seguir e, depois deste, o fado da cotovia.

Na primeira metade do século XX, já em Portugal, o fado foi adquirindo grande riqueza melódica e complexidade rítmica, tornando-se mais literário e mais artístico. Durante as décadas de 30 e 40, o cinema, o teatro e a rádio vão projetar esta canção para o grande público, tornando-a de alguma forma mais comercial. E assim a figura do fadista nasce como artista.

Com a decisão de declarar o Fado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, o Fado passou a integrar a Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade no âmbito da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, adotada pela Conferência Geral da Unesco, em 2003, e que Portugal ratificou no início de 2008. A iniciativa da nomeação foi lançada pela Câmara Municipal de Lisboa, em 2004 e a candidatura foi apresentada em junho de 2010, pela CML / EGEAC / Museu do Fado.

Fonte: Centro Nacional de Cultura /PT

O Advogado André Pinto de Sousa, integrante do CCLB, sempre atento à cultura e à história luso-brasileira, nos destaca um texto que tem início há mais de dois séculos e que faz parte de seu rico acervo. Ele faz questão de divulgar esta interessante história e compartilhá-la em nosso site.
O Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo (CCLB) realizou sua primeira reunião de Diretoria de 2024, em 22 de janeiro, às 18h30, em uma sala especial da Associação Portuguesa de Desportos localizada no bairro do Canindé, na Capital. Na oportunidade, ao lado do de Antero José Pereira, presidente do CCLB, esteve presente Antonio Carlos Castanheira, presidente da Portuguesa. Com a participação de muitos diretores do Conselho, o encontro revestiu-se de otimismo por um novo ano repleto de trabalho e de perspectivas promissoras.
Boa notícia para os dois países: a Companhia TAP Air Portugal comemora 56 anos de ligação ao Estado de São Paulo com reconhecimento da parceria com o governo estadual através da Secretaria de Turismo e Viagens de São Paulo (SETUR-SP).
Patrocinadores
Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo
Edifício "Casa de Portugal" Av. Liberdade, 602 - São Paulo/SP - Cep 01502-001 - Celular/WhatsApp +55 (11) 94513-0350 - Telefones +55 (11) 3342-2241 e (11) 3209-5270
www.cclb.org.br - cclb@cclb.org.br - Entidade de Utilidade Pública - Lei Estadual 6.624 de 20/12/1989 - Jornalista responsável: Maristela Bignardi - MTb. 10.204

Somos privilegiados pela herança lusitana e também por podermos contar com o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo que é o órgão que congrega nossa cultura viva em solo paulista. Pelo Conselho a história não se perde, porque uma das diretrizes da entidade é preservar e valorizar nossos usos e costumes que mantêm a tradição de nossa gente sempre presente nos festivais, no folclore, na música e na gastronomia. A ação do Conselho é defender um legado histórico e cultural inestimável.

Este site usa cookies. Os cookies neste site são usados ​​para personalizar o conteúdo, fornecer recursos de mídia social e analisar o tráfego. Além disso, compartilhamos informações sobre o uso do site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise da web, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram do uso de seus serviços.
Concordo