“Todo homem tem deveres com a comunidade”

Declaração Universal dos Direitos do Homem

NOTÍCIAS
Tese resgata história de profeta do século 18 condenado pela Inquisição

Sustentar que Deus é brasileiro já custou a vida de um português

O fato – mote aparentemente irresistível para piadas – se deu há mais de dois séculos, mas só agora vem à luz em detalhes. Um jovem pesquisador paulista, Plínio Freire Gomes, 27, defendeu tese de mestrado sobre o tema no Departamento de história da USP (Universidade de São Paulo).

O estudo relata que, por volta de 1740, Pedro de Rates Henequim, lisboeta, católico, arvorou-se em profeta – o “mais douto desde Moises”, como costumava dizer – e deu para interpretar a Bíblia de maneira peculiar. “Graças à inspiração do Espírito Santo”, percebeu o imperceptível nas escrituras sagradas. Concluiu que Deus iniciou a criação do mundo pelo Brasil e que aqui instalou o Jardim do Éden.

A maçã, proclamava Henequim, não escondia nada de diabólico. O fruto proibido era outro, a banana. Pregava mais: que Deus se comunicava com a corte celeste em português. E que os rios do Paraíso não se chamavam Tigre, Eufrates, Fison e Gion. Chamavam-se Amazonas e São Francisco. Para o profeta de Lisboa, Adão era indubitavelmente brasileiro. Criou-se no ponto central do país, deixou pegadas perto da Bahia e tinha como descendentes direto os índios. Prova: a pele vermelha dos selvagens. Henequim acreditava que o nome Adão derivava da palavra hebraica “adom”, que significava vermelho.

Em 21 de junho 1744, a Inquisição portuguesa condenou o herege à morte. Acusou-o de contrariar os dogmas da Igreja e o estrangulou. Depois, lhe queimou o corpo, reduziu-o “a pó e cinza, de maneira que nem de sua sepultura houvesse memória”.

Freire Gomes defende que o profeta português ajudou a lançar o mito-síntese da identidade brasileira – o de que o Brasil é um país “abençoado por Deus e bonito por natureza”. Henequim abraçou solitariamente um conceito que hoje invade o imaginário de todos nós”.

Em 1968, o historiador Sergio Buarque de Holanda mencionou o personagem no prefácio à segunda edição de “Visão do Paraíso”, livro que escreveu durante os anos 50. A citação aguçou a curiosidade de Freire Gomes. O pesquisador decidiu buscar mais dados sobre Henequim na Torre do Tombo, arquivo de Lisboa onde se encontram documentos oficiais de Portugal. Acabou achando o processo que a Inquisição moveu contra o profeta. É um catatau de mil páginas, manuscrito entre 174 e 1744 por dez escrivães.

Sob orientação de Laura de Melo e Souza, professora de história moderna da USP, Freire Gomes se debruçou durante seis anos sobre a papelada. Em agosto, encerrou o estudo. Batizou-o de “Um Herege Vai ao Paraíso”. O Centro de Apoio à Pesquisa Histórica Sergio Buarque de Holanda, na própria USP, guarda a tese de 180 páginas, que está disponível para consultas. O trabalho não apenas recupera a trajetória de Henequim. Também procura entender de onde brotaram as ideias do profeta.

“As proposições de Henequim nascem de conceitos que vinham se disseminando pela Europa desde o início da era colonial. Muitos cartógrafos e cronistas, incluindo Pero Vaz de Caminha, costumavam usar imagens edênicas para descrever a América e o Brasil”, explica Freire Gomes.

A tese busca, ainda, esclarecer por que a Inquisição se voltou tão furiosamente contra o profeta. “Henequim ameaçava tanto a ordem teológica da época quanto a ordem política”, diz o historiador. “Como hoje, a Igreja do século 18 situava o Éden bíblico no Céu, fora do âmbito mundano. Henequim ousou localizar o Paraíso na Terra. Para alcançá-lo, ninguém precisaria morrer e abrir mão das delícias carnais”.

Em termos políticos, as pregações do herege subvertiam a lógica da colonização. “Portugal era um dos impérios mais poderosos daqueles tempos”, afirma o pesquisador. “Henequim, porém, insistia em difundir que o trono de Deus flutuava sobre o centro do Brasil. Ou melhor, propagava que o rei de todos os reis elegera como morada uma colônia e não a grande metrópole portuguesa”. A banca que examinou a tese deu nota máxima para Freire Gomes – dez com distinção e louvor.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo – Edição de 24/12/1994
Crédito: Armando Antenore
Arquivo: André Pinto de Sousa.

O Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo (CCLB) realizou sua primeira reunião de Diretoria de 2024, em 22 de janeiro, às 18h30, em uma sala especial da Associação Portuguesa de Desportos localizada no bairro do Canindé, na Capital. Na oportunidade, ao lado do de Antero José Pereira, presidente do CCLB, esteve presente Antonio Carlos Castanheira, presidente da Portuguesa. Com a participação de muitos diretores do Conselho, o encontro revestiu-se de otimismo por um novo ano repleto de trabalho e de perspectivas promissoras.
Boa notícia para os dois países: a Companhia TAP Air Portugal comemora 56 anos de ligação ao Estado de São Paulo com reconhecimento da parceria com o governo estadual através da Secretaria de Turismo e Viagens de São Paulo (SETUR-SP).
Portugal é o país europeu que vem se tornando cada vez mais popular entre os brasileiros. A cultura, o clima, a proximidade com a língua e, além de tudo, os benefícios em se viver por lá, são alguns dos fatores que atraem os brasileiros para as terras portuguesas. Para se ter uma ideia, segundo os dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), dos mais de 980 mil estrangeiros que vivem legalmente em Portugal, quase 400 mil são brasileiros.
Patrocinadores
Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo
Edifício "Casa de Portugal" Av. Liberdade, 602 - São Paulo/SP - Cep 01502-001 - Celular/WhatsApp +55 (11) 94513-0350 - Telefones +55 (11) 3342-2241 e (11) 3209-5270
www.cclb.org.br - cclb@cclb.org.br - Entidade de Utilidade Pública - Lei Estadual 6.624 de 20/12/1989 - Jornalista responsável: Maristela Bignardi - MTb. 10.204

Somos privilegiados pela herança lusitana e também por podermos contar com o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo que é o órgão que congrega nossa cultura viva em solo paulista. Pelo Conselho a história não se perde, porque uma das diretrizes da entidade é preservar e valorizar nossos usos e costumes que mantêm a tradição de nossa gente sempre presente nos festivais, no folclore, na música e na gastronomia. A ação do Conselho é defender um legado histórico e cultural inestimável.

Este site usa cookies. Os cookies neste site são usados ​​para personalizar o conteúdo, fornecer recursos de mídia social e analisar o tráfego. Além disso, compartilhamos informações sobre o uso do site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise da web, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram do uso de seus serviços.
Concordo