“Todo homem tem deveres com a comunidade”

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Opinião
Opinião

OPINIÃO

Opinião

Aloizio Mercadante Oliva nasceu em Santos (SP), em 13 de maio de 1954. Formado em economia pela Universidade de São Paulo (USP), é mestre em economia pela Universidade de Campinas (Unicamp). É professor licenciado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e na Unicamp. É casado com Maria Regina e pai de dois filhos: Mariana e Pedro.

No PT, Mercadante foi vice-presidente nacional e secretário de relações internacionais, além de integrante do Diretório Nacional e da Executiva Nacional. Participou da elaboração dos programas de governo do PT e foi coordenador nas eleições presidenciais de 1989 e 2002. Foi candidato à vice-presidente da República na chapa de Lula, que concorreu à presidência na campanha de 1994.

Em 1990, em seu primeiro mandato, foi eleito como o mais votado deputado federal do PT. Na Câmara, destacou-se em duas importantes Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs): do PC Farias e do Orçamento.

Na campanha de 94, Mercadante abriu mão de uma provável reeleição para a Câmara dos Deputados e concorreu à vice-presidente da República na chapa de Lula.

Em 1996 coordenou o programa de governo do PT e foi candidato a vice-prefeito de São Paulo. Foi protagonista no debate econômico nacional, participando de palestras e publicando artigos propondo um modelo alternativo de desenvolvimento. Este período resultou no lançamento do livro “O Brasil Pós-Real”, organizado por Mercadante.

Em 1999, Mercadante voltou à Câmara dos Deputados como o terceiro deputado mais votado do país – 241 mil 559 votos. Em seu segundo mandato, participou de diversas comissões especializadas nas áreas econômica, financeira e tributária. Presidiu a Comissão de Economia, Indústria e Comércio (1999), foi líder da Bancada do PT (2000) e membro das comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional e de Finanças e Tributação (2001).

Ao concorrer a uma vaga no Senado, em 2002, Mercadante obteve a maior votação da história do País – 10 milhões 497 mil e 348 votos. No Senado, exerceu a Liderança do Governo, até junho de 2006.

Em 2006, foi candidato do PT ao governo de São Paulo, quando obteve o maior número de votos do partido no Estado – 6.771.582 votos. Neste mesmo ano, lançou o livro: “Brasil – Primeiro Tempo”, uma análise comparativa do governo Lula.

Em 2008, Mercadante presidiu a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado e foi eleito presidente da Representação Brasileira no parlamento do Mercosul. Em fevereiro de 2009 foi eleito por unanimidade líder da bancada do PT no Senado Federal e líder do bloco de apoio ao governo na Casa. Atualmente é vice-presidente do Parlamento do Mercosul (Parlasul)

Aloizio Mercadante
Senador

A identidade histórica e cultural do Brasil é profundamente ligada a de Portugal. Não se trata apenas do fato de que Portugal foi o nosso colonizador, mas da maneira como essa colonização se deu e da sua singularidade na América do Sul.
Com efeito, as guerras napoleônicas fizeram com que todo o aparelho estatal do corte portuguesa fosse deslocado para o Brasil. Durante algum tempo, o Brasil foi, ao mesmo tempo, colônia e metrópole. É dessa época o processo de instalação e construção das instituições estatais que formaram a identidade nacional e asseguraram a coesão do país. Não fosse a implantação de um Estado em território nacional, ainda na época da colônia, o Império brasileiro não poderia ter se consolidado e exercido a sua hegemonia num território tão vasto.
Além disso, a singularidade da colonização portuguesa, num subcontinente majoritariamente colonizado pela Espanha, também impediu a atomização territorial e política do Brasil. Assim, a América portuguesa, ao contrário da América espanhola, não apenas manteve-se coesa, mas também cresceu política e geograficamente. Nesse processo, as bandeiras e homens como Pedro Teixeira, que será homenageado no Senado Federal por minha iniciativa, tiveram papel primordial. Particularmente a epopéia do “Conquistador da Amazônia”, que estendeu nossas fronteiras na Amazônia ocidental, representa um admirável marco histórico na construção do Brasil.
Desse modo, além da bela língua e da rica cultura, Portugal legou-nos uma identidade forte e coesa e um destino de grandeza que, hoje, já se manifesta claramente no cenário internacional.
Neste momento em que Portugal, integrado à União Européia, contribui decisivamente para uma maior aproximação do Brasil ao continente europeu, saudamos a nossa identidade comum, a navegar nos grandes mares da história com a preciosa bússola da bela e brava língua portuguesa.

Patrocinadores:
Premium
São Critóvão
Silver
BBR
Apoio:
Apoio
Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo
Edifício "Casa de Portugal" Av. Liberdade, 602 - São Paulo/SP - Cep 01502-001 - Celular/WhatsApp +55 (11) 94513-0350 - Telefones +55 (11) 3342-2241 e (11) 3209-5270
www.cclb.org.br - cclb@cclb.org.br - Entidade de Utilidade Pública - Lei Estadual 6.624 de 20/12/1989 - Jornalista responsável: Maristela Bignardi - MTb. 10.204

Somos privilegiados pela herança lusitana e também por podermos contar com o Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo que é o órgão que congrega nossa cultura viva em solo paulista. Pelo Conselho a história não se perde, porque uma das diretrizes da entidade é preservar e valorizar nossos usos e costumes que mantêm a tradição de nossa gente sempre presente nos festivais, no folclore, na música e na gastronomia. A ação do Conselho é defender um legado histórico e cultural inestimável.

Este site usa cookies. Os cookies neste site são usados ​​para personalizar o conteúdo, fornecer recursos de mídia social e analisar o tráfego. Além disso, compartilhamos informações sobre o uso do site com nossos parceiros de mídia social, publicidade e análise da web, que podem combiná-las com outras informações que você forneceu a eles ou que eles coletaram do uso de seus serviços.
Concordo